Mensagem do Provincial

Reflexão do provincial eleito

Eleito provincial pela Assembleia da Província Espiritana no Brasil, no início de setembro, em Belo Horizonte–MG, Padre Leonardo da Silva Costa, 44 anos, que há 13 anos não trabalha no Brasil, partilha conosco sua reflexão ao chamado de Deus e de seus confrades para assumir o serviço da autoridade em sua província de origem. O missionário que atualmente trabalha na Bolívia, tem ali cumprido dirvesas funções de liderança, seja na Igreja Local ou no grupo espiritano presente no país desde 2003, nos fala da importância de se deixar conduzir pelo Espírito de Deus diante do desafio ao que foi chamado e  assumirá a partir de fevereiro do próximo ano. Confira.

Discurso de Padre Leonardo da Silva Costa – 07/Setembro/2017

Eu não seria capaz de dizer o que eu vou dizer, se hoje, não tivesse ido à Capela, Rezar, na presença do Santíssimo Sacramento, depois de ter sido votado, por vocês, meus irmãos, para ser o Superior Provincial da Província Espiritana do Brasil nos próximos três anos.

Confesso que nestes 44 anos de vida que tenho neste mundo, fazendo diferentes serviços em várias instancias, países, continentes, lugares, em realidades tão desafiantes e duras, somente durante esta atividade e o processo que fui vendo de eleição do novo superior Provincial, tive as noites mais escuras e angustiantes de minha vida.

Na vida, antes de toda decisão é preciso discernir com os critérios de Cristo, agindo com confiança e abandonando-se totalmente nas mãos de Deus.

Fui à Capela falar com Deus e, subi a Montanha, há poucos minutos, para chorar e ser consolado, expressando a Ele minha angustia, minha noite escura, meus temores, meus medos, minha insegurança, minhas preocupações, meu sentimento de ser arrancado do meio de outras missões, deixando tantos grupos, situações, pessoas e compromissos para regressar ao meu pais, Brasil, depois de mais de uma década fora dele, para uma missão exigente, ampla, que significa ajudar a santificar, a rezar, a aconselhar, a refletir, a coadjuvar, a apoiar, a decidir, a amar, a servir a todos, a administrar, governar e caminhar juntos.

Faz 13 anos e meio que já não moro no Brasil. Morei 2 anos na Europa, em Dublin/Irlanda e 11 anos e meio em Bolívia. Eram outros idiomas, culturas, povos e maneiras de ser e viver.

Para assumir um serviço assim e agora, seguramente será necessário muita escuta, consulta, informação concreta e profunda sobre todo o caminhar e estado de situação da província com toda a sua realidade e desafios.

Mas, eu não quis nada decidir por impulso nem por instintos viscerais, porque uma decisão sem alegria e paz interior é uma triste decisão. E Deus foi gerando uma certa paz interior.

Quando a gente se desvia e deixa de fixar os olhos em Cristo só podemos ver o banzeiro, a agitação, os problemas, sem perspectivas nem horizontes. Mas quando a gente olha de novo para Jesus chamando: “Vem…”, como São Pedro, a gente não se afoga mais na tempestade.

Ela se acalma e a gente faz a travessia ate segurar na mão de Deus. Ai, ninguém nos separará do amor de Cristo. Ele não abandona ao seu servo fiel, o salva, o perdoa e capacita para a sua missão.

Ser Superior Provincial, neste tempo, agora, na Província Espiritana do Brasil, pode significar uma renúncia a mim mesmo. É emprestar a vida para que Cristo disponha para ajudar a construir pontes, animar, apascentar, caminhar juntos. É carregar com Cristo a Cruz nesta Província. Mas não há gloria nem salvação sem sentir o sabor e o peso da Cruz. E é uma Cruz que santifica, purifica, madura e conduz na perspectiva da Ressurreição, sem dar a última palavra ao seu peso ou ao sofrimento que ela pode causar. Nenhum sofrimento nem cruz têm a última palavra na vida de uma pessoa. A Cruz não é o fim nem o início. Ela é um meio.

Portar e carregar a Cruz de Cristo, neste momento, é fazer uma entrega da própria vida, no tempo e momento em que ele peça, com disponibilidade e docilidade.

Como missionários, necessitamos estar sempre preparados para “partir, sem demora”, como adverte o Papa Francisco, e como o fez a Virgem da prontidão e serviço, Maria (Lc 1,39).

É um sacrifício doloroso, mas Ele ajuda a cada área que a gente tem que deixar e preenche todos os vazios que ficam. Ele ajudará em suas necessidades todos aqueles que eu, e outros missionários, tenham que deixar.

Isto é uma resposta, com confiança em Deus e no seu Espirito, a um pedido que muitos confrades estão fazendo, já repetidas vezes.

É um desprendimento total: cortar certos laços, deixar situações geográficas e existenciais, pessoas e grupos. É ser propriedade de Cristo e não dos próprios impulsos ou preferencias humanas, nem ser escravos dos próprios pensamentos, projetos e perspectivas.

As surpresas, repentinas de Deus, sacodem, levantam poeiras e sentimentos, mudam planos, seguranças, comodidades, fazem revoluções e reviravoltas, mas depois, Ele mesmo, se encarrega de conduzir o seu filho para superar toda tormenta e, com calma fazer o caminho.

Isso exige ser cada dia mais um homem de Deus, de oração, ser irmão espiritual que caminha junto, lado a lado, ainda quando os pés pareçam cansados e lentos.

Não estou certo disto, mas parece que chegou a hora de pescar diferente; ir à outra margem, ainda que, eu preferia afastar este Cálice. Eu resisti, fugi, não quis, nem jamais tive a pretensão de servir a Congregação do Espirito Santo como superior Provincial em nenhum território.

Há outros confrades com mais capacidade, disponibilidade, com mais dignidade e experiência, com maior preparação, mais experimentados, que estiveram mais perto de todo o movimento da Província, que conhecem melhor a todos os confrades e situações de cada um, que sabem bem dos desafios, prioridades e agenda de trabalho para o presente e futuro. Sou consciente da minha pequenez, caráter e fragilidades humanas para guiar a Província.

Por isso, quis me defender e preferi consultar ao Espirito Santo, que presenteou calma e paz interior, sussurrando no meu ouvido: “…nada te turbe….”.

Há que abrir-se e deixar-se conduzir pelo Espirito Santo, com a certeza de que nenhuma missão deve depender de um pessoa humana. De repente, o Senhor pode estar dizendo que nesta posição se poderá ajudar até mais do que estamos pensando. Talvez seja hora de fazer o que sempre pedimos que outros façam. A missão é dele e há que deixar que ele vá adiante e chegue primeiro em tudo. Permitamos que Ele conduza, ilumine, guie, e a gente o sirva com obediência e fidelidade ao que ele peça, oriente, diga e envie.

Cada missionário fará, ainda que seja por pouco tempo, ainda que sejam semanas, meses ou dias, o melhor que possa no lugar em que foi chamado a estar e, o fará tudo por inteiro e com muito amor, como se fosse o ultimo dia e a última oportunidade que Deus dá porque, aqui na terra, estamos só de passagem, como transeuntes, e não somos nada mais que pequenos peregrinos, sem controle de nada nem blindados para ser eternos e infinitos. Faça, com Deus e seu Espirito, o que tem que ser feito, como, onde e quando Ele peça e diga, sem perder jamais a oportunidade de fazer o bem. Tenhamos confiança total e não haverá sensação de pânico nem sentimento de vazio ou orfandade.

Finalmente, digo-lhes que ser votado para superior Provincial, não é um prêmio nem mérito. É um serviço, um chamado a uma missão com o mandato do Evangelho, no tempo em que Ele chama e pede.

E, se Deus deseja realizar algo através deste servo, me deixo vencer…e me ponho como leve pena à disposição do sopro do Espirito Santo para seu serviço missionário.

Com o apoio de todos, “Estou decidido a seguir o Caminho que Ele me indica”, com humildade, e, caminhando juntos, como servidor de todos, Aceito.

Pe. Leonardo da Silva Costa, C.S.Sp.

Lucas Duarte

Sou natural da zona oeste de São Paulo-SP. Entrei na família espiritana em 2008. Atualmente sou agente da Pastoral Carcerária (Região Belém - ArquiSP) e assessor da Juventude Espiritana Missionária (JEM).

1 Comentário

Clique para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Como membro da Paroquia São João Batista te digo, terá sempre nosso apoio. Como resposta as orações feitas durante a Assembleia de voces eu uso suas palavras, ” De repente, o Senhor pode estar dizendo que nesta posição se poderá ajudar até mais do que estamos pensando, permita que ele te conduza com o sopro do Espírito Santo. Parabéns!!!