Mensagem do Provincial Notícias Notícias Provincial

Homilia do Provincial do Brasil na festividade do fundador da Congregação do Espírito Santo

02 de outubro de 2018 – Vila Mangalot – Paróquia São João Batista

 

Memória dos Santos Anjos da Guarda

Memória de Padre Cláudio Poullart des Places

Instituição ao Ministério de Leitor e Acólito

Homilia: Pe. Leonardo da Silva Costa, CSSp

 

Queridos fiéis leigos, aspirantes, junioristas, vida religiosa consagrada masculina e feminina e caríssimos irmãos no Presbiterato,

Nos convoca e reúne, hoje, nesta Paróquia São João Batista e, posteriormente na comunidade do Postulantado espiritano, a celebração, de modo especial, da memória do Fundador da Congregação do Espírito Santo, Pe. Cláudio Poullart des Places, a Instituição dos ministérios de Leitor e Acólito de dois professos do segundo ciclo de formação, a abertura do Ano Vocacional Espiritano no Brasil – de 02 de outubro/2018 a 02 de outubro/2019, a abertura do Aspirantado 2018/2019, o envio missionário e a continuidade do processo de inserção na vida espiritana de um sacerdote secular, a Memória dos Santos Anjos da Guarda, neste Ano do Leigo no Brasil, no mês missionário e de eleições.

Que maravilhoso encontro para a nossa fé e vida!

Qual será a reação de Jesus ao ver-nos aqui?

O que será que Ele quer com tudo isto?

Rezemos e apresentemo-nos diante do Senhor, sem automatismos, efemeridades e superficialidades. Totalmente despojados, simples e transparentes.

Celebremos apresentando nossa realidade, que tem muitos pecados sociais, causando medos, insegurança, desconfiança, onde se testemunha a involução do dinamismo e compromisso com o bem comum e serviço público, o congelamento da consciência crítica, a fibromialgia da participação popular, a diminuta ética, a corrupção bubônica nos salões e porões da ameaçada democracia, numa nação desigual recheada de escorpiões e de peçonhentas gestões político-partidárias quadrienais.

Apresentemos tudo isto com nossas vidas, nossos barcos e redes remendadas, rasgadas ou manchadas por acontecimentos e fatos ocorridos ao longo da vida. Mas o façamos com a consciência de que Deus atua na sociedade, na família, no itinerário vocacional, na vida pessoal e, é Ele quem não descansa até ver um dia todos vivendo e cumprindo com fidelidade a vocação para a qual nos chamou e enviou.

Por isso ele também nos presenteia com anjos anunciadores, defensores e guardiães espirituais.

É Deus quem diz e, não duvide: Vou enviar um anjo que vá à tua frente, te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que te preparei.

Esta é uma expressão de amor, de carinho e de misericórdia de um Deus que gera esperança. Ele nos envolve em seu amor, em seu perdão, nos fortalece, nos resgata e nos faz também casa de misericórdia e reconciliação.

O religioso espiritano de hoje, o leigo, a pessoa consagrada precisa muito mais deste encontro de conversão, de perdão, de fraternidade e reconciliação do que remédio e dinheiro.

Foi esta proteção, foi esse cuidado de Deus que pôs o Padre Cláudio, nosso Fundador, no caminho da ternura, da coerência e do dinamismo do Espírito.

E é verdade, que quem se deixa guiar pelo Espírito de Deus, organiza diferente a vida, planeja, prepara, forma, santifica, defende a vida, luta contra a desigualdade, opta pelos abandonados, ajuda a resolver as causas estruturais dos problemas e sofrimentos e promove o desenvolvimento da vida digna e justa. Sente ternura e amor pelos que sofrem.

O jovem Pe. Cláudio deixou um legado de coragem, paciência e confiança no Espírito Santo. E nos inspira a assumir e carregar a própria cruz e aliviar o peso da cruz de outros irmãos e, ainda assim, partilhar a alegria do Evangelho.

Por isso, ser admitido às ordens sagradas, ser instituído Leitor e Acólito, consagrar a vida, assumir os conselhos evangélicos, e estar no Presbiterato, ser leigo comprometido, nada disto constitui um privilégio, mas sim é um serviço que exige acolhida do dinamismo e criatividade do Espírito Santo. É um chamado, uma convocação e um mandato a viver em estado permanente de alerta e de compromisso missionário, saindo do convencional, abrindo os olhos para ver a realidade, pôr as mãos em outros espaços e possibilidades existenciais, humanas e periféricas.

Seremos julgados por nossas atitudes, por nosso testemunho, por nossas obras, não pela circunscrição, estatura, cor da pele ou origem.

Precisamos pertencer ao Espírito Santo a tempo completo, não só no mês missionário. É o testemunho alegre de um missionário feliz que dará vida ao Ano Vocacional e nos fará promotores vocacionais e pescadores com redes lançadas.

Deixemos o desencanto. Sigamos a intuição e estilo de vida proposto por Pe. Cláudio, com fôlego, fervor e esperança, sem ser ativista nem um mero tarefeiro superficial

Neste Ano Vocacional, também ajudemos no despertar e no discernimento de novas vocações, mostrando com atitudes e um bom testemunho os caminhos do Senhor.

Abramos o coração para construir com fé pontes de vida, livres das muralhas e rigidez.

Voltemo-nos para o Evangelho e acolhamos, no caminho, a graça de Deus.

Permaneçamos na sua presença, mesmo se estamos desanimados. Permitamos ser olhados, vistos e acolhidos por Jesus Cristo, dando o que recebemos.

Não privatize a vocação.

Que o Espírito Santo continue guiando a todos os espiritanos, fazendo-nos puros e pequenos como uma criança, renovando, santificando, gerando harmonia e, assim nos ajude a todos, a condenar o pecado e animar o pecador a levantar-se, cheio de Deus e tratando de viver com fidelidade extraordinária e dando um testemunho irrenunciável de Cristo.

Assim sejamos continuadores da obra de Pe. Cláudio, que com só 24 anos de idade fundou nossa Congregação e com 30 anos foi para a vida eterna sem ver os frutos das sementes lançadas e sem tempo de escrever nem planos nem regras.

Irmãos e irmãs, como Pe. Cláudio, sejamos simples, semeadores despojados, para ser totalmente de Deus e dos pobres.

Que reconheçamos a eficácia do amor de Deus, da sua ternura infinita, na docilidade da sua Palavra, que não se esgota a pesar das nossas ingratidões.

Que o Senhor fale ao nosso coração e não nos defendamos nem fujamos disso. Simplesmente obedeçamos e permitamos que Ele vença e nos conforte com o seu divino sopro. Sigamos o que Ele indique. Adiante irmãos. Amém!

Homilia: Pe. Leonardo da Silva Costa, CSSp

Oscarlos Teixeira

Governador Valadares - MG, Paróquia Nossa Senhora de Lourdes.

Comentar

Clique para comentar