Notícias

Mensagem de Pe. Leonardo no dia Sacerdotal

‘…Diante do Altar, Senhor, entendo minha Vocação: DEVO SACRIFICAR A VIDA POR MEUS IRMÃOS...’

 

Querido Diácono, Padre, Bispo e candidato/vocacionado ao sacerdócio,

 

Neste dia eucarístico, em que, também, recordamos a instituição do sacramento da Ordem, esteja em cada sacerdote a paz, o consolo e a esperança!

Chegue a cada consagrado o agradecimento pelo testemunho, pela vocação que desenvolve, gastando a vida no apostolado, vivendo e servindo como discípulo-missionário.

Deus o faz, mesmo antes de pedi-lo, mas ainda assim, atrevo-me a rogá-lo que ponha na palma da sua mão os padres que padecem algum tipo de enfermidade, crise ou estão em travessias na noite escura da vida, e os afague no seu peito, carinhosamente, confortando-os e consolando-os.

Gratidão pelo testemunho e legado dos mártires, dos sacerdotes que morreram ainda jovens ou em provada idade, assassinados ou vítimas de pestes e outras doenças; também os que suportaram grandes sacrifícios, com amor, convicção, entrega silenciosa e ecoante pelo abraço à Cruz, pois que marcaram com seu sangue a trilha a seguir e continuar, portando o Evangelho integral, irrenunciavelmente.

Ao rezar por você, lembrei-me desta belíssima canção do frei Luís Turra “Os grãos que formam espiga” e, por isso a transformei em início deste conjunto de palavras aqui grafadas.

Como inspira a canção, a vocação sacerdotal pode ser melhor entendida quando o ponto de partida e de chegada é o Altar de Graça e de Misericórdia divina, na mistura da fé com a vida, que acolhe os dramas humanos e sociais.

Hoje, nas orações, celebrações e partilhas, é oportuno agradecer e oferecer a história vocacional, desde o começo, imersa na misericórdia de Deus.

Ao procurar o Senhor, seja possível nEle encontrar a si mesmo. E a partir dEle dialogar com os próprios limites. É Cristo que, presencialmente, nesta abertura pessoal, fortalece, cura, capacita, atualiza, cicatriza, impulsiona, faz arder o coração e a alegria de ser missionário.

O Sacerdote existe para o amor e a justiça, sem ser um super-homem, mas sendo um hiper vocacionado para defender e proteger a vida, olhando, pensando, sentindo e agindo como o fez Jesus nos momentos serenos e nas etapas mais duras e desafiantes de sua vida.

Meio irmão no sacerdócio, eu te exorto a assumir a vocação sacerdotal como essencial em todo o seu conjunto – o que não é essencial na vida de um homem – ele nunca faz bem feito.

Fique renovada o sim fiel, a comunhão, a unidade e o zelo pastoral a exemplo de Cristo e sua Mãe.

Seja cada vez maior a atitude profético-sacerdotal de Servidor humilde, consciente da sua identidade e responsabilidade, que agacha, se curva ao irmão, lava seus pés, permite ser lavado também, e fica em pé – disponível, próximo, ágil, determinado, paciente e itinerante.

Seja garantido na vida sacerdotal o tempo de cultivo pessoal, de encontro e diálogo orante com o Senhor que gera solidez e flexibilidade, ensina o perdão, dá mais humildade e consciência de pecado, perseverança e amorosidade, ternura e maior fecundidade no pastoreio, na vida diária, vivendo com uma imensa capacidade de amar e perdoar – sem economia.

As obras de cada Padre sejam repassadas de docilidade, sabedoria, misericórdia, como perfume do Evangelho, doando-se e presidindo o povo no amor, na justiça e na caridade.

E, finalmente, lembro-te, farás ainda muito gol, se permaneceres como aluno da escola de Maria, mãe de Jesus.

O Senhor complete em cada sacerdote o que ele começou.

Parabéns! Avante! Um grande abraço e muitíssimo obrigado!

Quinta-feira Santa – São Paulo-SP/Brasil – 09/abril/2020

Pe. Leonardo da Silva Costa, C.S.Sp.

Provincial/Brasil – Coordenador U.C.A.L.

Oscarlos Teixeira

Governador Valadares - MG, Paróquia Nossa Senhora de Lourdes.

Comentar

Clique para comentar